Políticos LGBT+, o guia The Pride de personalidades

Conheça 6 políticos LGBT+ que lutam pela nossa comunidade

Esse artigo é minha seleção pessoal de políticos LGBT+ que acredito que ainda vão contribuir muito para os direitos da nossa comunidade. Vivemos numa democracia pautada pela diversidade, mas, na prática, quase não existe representatividade política para as minorias com pautas ligadas a gênero e raça. Num ambiente altamente conservador, está cada vez mais difícil encontrar quem represente mulheres, negrxs, indígenas e LGBT+.

A presença de políticos LGBT+ lutando pela nossa comunidade é fundamental para a defesa de causas como a criminalização da LGBTfobia (aproveite e leia esse artigo que ensina a denunciar atos de homofobia), políticas para transexuais, educação sobre gênero, dentre outras pautas e extrema relevância para a verdadeira democracia. Nas eleições de 2018, a Aliança LGBTI disponibilizou um painel para acompanhar os candidatos que se comprometeram com causas LGBT+, sendo 176 deputados estaduais, 138 deputados federais, 24 senadores e 3 presidentes, principalmente dos partidos PSOL, PT e REDE. Desses candidatos, tivemos a eleição de 1 senadora, 12 deputados federais e 17 estaduais.

Por isso, separei alguns dos nomes de políticos LGBT mais promissores para você ficar de olho no mandato, pois eles trazem grandes perspectivas na defesa da nossa comunidade:

#1 Erica Malunguinho – PSOL

Erica Malunginho é uma educadora, artista plástica e polícia com mestrado em estética e história da arte pela USP. Foi a primeira mulher transexual a ser eleita para a Assembleia Legislativa de São Paulo, onde atualmente ocupa o cargo de deputada estadual, com atuação nas áreas: Luta antirracista, Educação, Saúde, Cultura, Povos tradicionais, Comunidades de terreiro, Mulheres, População LGBTQIA+, População carcerária.

Políticos LGBT - Erica Malanguinho
Erica Malanguinho Crédito: ALESP

Com sua intensa bagagem cultural e intelectual, além de muita experiência em artes plásticas, fotografias e performances, Erica Malanguinho tem se mostrado um dos nomes mais promissores para promover debates profundos acerca de questões de raça e gênero no espaço político.

Além disso, Erica é a criadora do centro cultural e político Aparelha Luiza, um quilombo urbano que serve de espaço para fomentar as produções artísticas e discussões intelectuais em São Paulo, sendo reconhecido como um dos mais influentes espaços de cultura negra no Brasil.

Erica também se comprometeu a lutar pelos direitos da comunidade LGBT+, sobretudo os direitos sociais das pessoas trans visando sua inclusão no mercado de trabalho. A sua grande influência para entrar no mundo político foi Marielle Franco.

#2 David Miranda – PSOL

David Miranda foi o primeiro vereador LGBT+ eleito para a Câmara Legislativa do Rio de Janeiro. Além de ativista LGBT+, David também é jornalista e estrategista de marketing. Atualmente, ele ocupa o cargo de Deputado Federal no lugar de Jean Willys que não assumiu o cargo devido a ameaças de morte.

Políticos LGBT - David Miranda
David Miranda Crédito: Câmara dos Deputados

David é marido do jornalista Glenn Greenwald, o editor-chefe do The Intercept Brasil, responsável pela série de artigos da Vaza Jato. Além disso, David e Gleen também estiveram envolvidos na exposição de programas de vigilância global levados a cabo pelos Estados Unidos e na campanha pelo asilo do Edward Snowden no Brasil.

Atualmente, seu maior objetivo é aprovar um projeto de lei que criminaliza a homofobia. Porém, David já apresentou muitos projetos em defesa da comunidade LGBT+, a exemplo do PL 5096/19 que estimula políticas de prevenção ao suicídio entre a População LGBT+. O ativista foi um dos que carregou o caixão de Marielle Franco, com quem desenvolveu uma grande amizade. Eles tinham tudo em comum: ativistas LGBT+, negros, nascidos na favela e defensores dos direitos humanos.

#3 Fábio Felix – PSOL

Primeiro negro e LGBT+ eleito para uma cadeira na Câmara Legislativa do Distrito Federal, Fábio se graduou em Assistência Social na Universidade de Brasília, onde iniciou sua trajetória no movimento estudantil.

Com sua experiência no cuidado de jovens em situação de rua e vítimas de exploração e abuso sexual, Fábio tem um dos mais ricos currículos em termos de projetos em prol da comunidade LGBT+, além de forte presença no ativismo LGBT+ na capital federal.

Políticos LGBT - Fabio Felix
Fábio Felix Crédito: CLDF

Apesar de novo na política, Fábio tem se mostrado um forte defensor da causa LGBT+, se destacando por suas posições tanto na Câmara Legislativa quanto nas mídias sociais, além de diversos propostas como a utilização do nome social em concursos públicos, em certidões de óbito e lápides. Fábio Felix faz questão de estar presente na vida LGBT+ de Brasília e de denunciar e acompanhar de perto qualquer tipo de agressão a comunidade LGBT+.

#4 Fabiano Contarato – REDE

Fabiano Contarato, de 53 anos, é um delegado da polícia civil e professor de direito. Parece bem tradicional, né? Mas Fabiano Contarato se destaca por ter sido o primeiro homossexual assumido a ser eleito para o Senado Federal.

Políticos LGBT - Fabiano Contarato
Fabiano Contarato Créditos: Senado Federal

Filiado ao partido Rede, Fabiano defende algumas ideias bem interessantes e opta pela discrição com relação a sua orientação sexual. Atualmente, sua pauta está mais voltada a questões de trânsito, já que, durante muito tempo, ele trabalhou na delegacia de crimes de trânsito.

Entretanto, Fabiano por vezes defende a causa LGBT+, sendo bastante crítico quando o assunto é liberdade religiosa e criminalização da homofobia. Mesmo sendo católico, Fabiano defende em primeiro lugar os direitos a população LGBT+.

Particularmente, tenho muito interesse em descobrir como Fabiano vai construir seus posicionamentos conforme as pautas LGBT+ forem surgindo no espaço político. Afinal de contas, é o único gay assumido no Senado.

#5 Isa Penna – PSOL

Isa Penna faz parte da nova ala de políticos com menos de 30 anos, que se posiciona de forma ferrenha contra o conservadorismo. Eleita deputada estadual de São Paulo, Isa tem como uma de suas principais pautas a luta contra o machismo e sexismo.

Isa Penna
Crédito: ALESP

A deputada assumidamente bissexual já criou alvoroço na Assembleia ao recitar um poema sobre “Sou puta, sou mulher” como crítica a um projeto de lei que estava sendo analisado e que, na prática, impediria que atletas transexuais pudessem competir de acordo com o gênero com que se identificam.

O histórico de proposições da Isa também é excelente para quem está no início da vida política. Olha que legal a ementa desse projeto: “Cria Central Gerenciadora de Vagas para coordenar a oferta de vagas para mulheres em situação de violência em casas abrigo, casas de passagem, centros de acolhida e quaisquer outros serviços municipais ou estaduais de acolhimento institucional para esse público“.

Acredito muito que vale a pena acompanhar a trajetória, que ainda se inicia, dessa política. Primeiro, porque ainda temos falta de representatividade política feminina e a Isa apareceu dando fôlego para muitas outras mulheres. Às vezes, faz bem ter uma pessoa ousada e sem medo de falar o que pensa, sem medo de assumir a bissexualidade e o relacionamento com outra mulher – e, claro, que apresente excelente proposições. Acredito que lésbicas e mulheres trans terão muito a ganhar na luta da Isa Penna contra o machismo.

# 6 Marielle Franco – PSOL

Não tinha como fazer um artigo desse sem citar o nome dela: Marielle Franco. A vereadora carioca assinada a tiros, cuja investigação ainda não resultou em culpados, foi uma das vozes mais fortes na defesa das minorias.

Marielle Franco
Crédito: Wikipedia

A vereadora negra, mãe solteira e lésbica se tornou a mais influente líder política na defesa dos direitos humanos. Criada no Complexo da Maré, Marielle se opunha radicalmente à violência policial e denunciava diversos casos de abuso e violência policial no Rio.

Marielle se formou em sociologia e fez mestrado em Administração Pública. Ao longo da sua breve carreira política, Marielle apresentou mais de 10 projetos de lei, especialmente focados na saúde da mulher. Porém, nesse tempo, Marielle inspirou diversas pessoas e políticos em prol daquilo em que ela acreditava – e, claro, também despertou o ódio da ala ultraconservadora, o que acabou culminando com sua morte.

Porém, as ideias e a vida de Marielle permanecem em nossos corações e, durante muito tempo, ainda vamos ver os frutos das ideias dessa inestimável política que vive em nossos corações.

A presença de políticos LGBT+ lutando pela nossa comunidade

Então, o que você achou dessa lista? Realmente, acredito serem políticos LGBT+ muito promissores