Já faz um tempo que eu havia lido muito sobre a nova série filmada no Brasil pela HBO, com o nome Todxs Nós – e, claro, só de ver o nome da HBO já fiquei interessado. Afinal de contas, é a mesma produtora que me apresentou séries como Game of Thrones, Sopranos, Westworld e O Negócio.

Enquanto lia matérias elogiando a série e até mesmo comentando sobre o polêmico beijo grego que apareceu em um dos episódios, meu interesse só aumentava. Entretanto, mesmo em casa, a rotina acabava me impedindo de reservar um tempo para assistir aos episódios relativamente rápidos de aproximadamente 30 minutos. Até que, finalmente, consegui reservar um tempo para deitar e assistir a HBO Go.

Cena da abertura de Todxs Nos
Então, essa é a cena de abertura da série, com muita descontração, luzes coloridas e diversidade. Créditos da imagem: reprodução youtube

Todxs Nós, um trabalho impecável sobre diversidade

Quando as pessoas falam na sigla LGBT+, a gente pensa logo em gays e, às vezes, em lésbicas. Raramente as pessoas se lembram de que essa sigla envolve muito mais, por exemplo, pessoas não-binárias, trans, assexuadas, dentre inúmeras minorias.

É justamente nesse ponto que a série conquistou meu coração, porque ela mostra de perto o drama e a realidade de muitas minorias. Só no início da série, já conhecemos a protagonista Rafa (Clara Gallo) que se identifica como não-binária. Fugindo do preconceito da família, Rafa busca abrigo na casa de seu primo. Detalhe: nesse apartamento, na capital paulista, moram Vini (Kelner Macêdo) e Maia (Julianna Gerais), sendo o primeiro gay e a segunda uma mulher negra, feminista e vegana.

O primeiro capítulo já me ganhou totalmente ao mostrar um conceito bem amplo de diversidade e minorias. E isso tudo de forma bem descontraída, de forma que a gente consegue umas boas risadas vendo a adaptação de Maia e Vini em utilizar a linguagem sem gênero.

Depois disso, a série só melhora. Somos introduzidos ao mundo queer, conhecemos trans, os dilemas do relacionamento aberto e diferentes aceitações dentro da família – algumas boas e outras nem tanto. Portanto, vejo como uma reprodução bem próxima da nossa realidade que é, naturalmente, marcada pela diversidade.

Uma série que retrata a realidade como ela é

Quando a gente fala em série, é possível existir um mundo perfeito, onde todo mundo é feliz. Mas, em Todxs Nos, a realidade é bruta e cruel, ou seja, é real. Na série, assistimos situações comuns como: pais que não aceitam os filhos; pessoas trans que são forçadas a viver em abrigo; racismo e “racismo reverso”; e, claro, uma cultura extremamente misógina.

Além disso, é claro que a série militante não ia deixar o preconceito e a aceitação de fora, convidando o espectador a entender melhor e de perto temas muito mais complexos. Em alguns diálogos, a série explica de forma super descomplicada conceitos como cis, hétero, pan e muito mais.

Vini, Rafa e Maia conversam com os pais de Rafa
Nessa cena, Rafa, Vini e Maia dão uma aula descomplicada sobre questões de identidade de gênero e orientação sexual. Créditos da imagem: reprodução Youtube HBO

Com isso, podemos ver a evolução dos personagens na trama, conforme eles conhecem outras realidades e vivem diferentes situações. Assim, podemos ver de perto a realidade de pessoas trans que moram em abrigos, como a Casa Nem, que apresentei nesse artigo. Vemos como a polícia pode ser muito mais propensa a enquadrar uma pessoa negra. Além de assistir aos desenvolvimento dos relacionamentos entre pessoas LGBT+.

Dessa forma, eu considero que a série é um retrato cru da realidade, em que as mulheres que defendem o feminismo são tratadas com desleixo ao passo em que a impunidade, muitas vezes, prevalece. Afinal de contas, trata-se de uma realidade cheia de problemas, como não ser aceito por ser quem você é, ser criticado por conta daquilo em que você acredita ou ser discriminado e excluído pelo preconceito que assola a sociedade.

Abra a sua cabeça com os mais diferentes pontos de vista em Todxs Nós

Com base nisso, eu super recomendo a série. Apesar de ser uma forma super didática de falar sobre diversidade e com um enredo que está surpreendendo até aqui, Todxs Nós vai muito além da questão de gênero. Assim, ao apresentar diferentes realidades sobre diferentes perspectivas, a série nos conquista a cada episódio e, diria, nos transforma em melhores pessoas.

Enfim, manas, eu super recomendo assistir a esta série que, muitas vezes, faz a gente se colocar a pensar nos outros e a refletir a própria forma como nos enxergamos no mundo. Além, é claro, de conhecer muito mais sobre diversidade.

Aliás, os créditos da imagem de capa são da página Wikipedia.